Opinião: "O Jiu-Jitsu deveria estar nas Olimpíadas?"

Com os Jogos Olímpicos de “2020” chegando, a questão de o Jiu-Jitsu estar nas Olimpíadas é cada vez mais levantada. Competidores, treinadores e amadores se perguntam, pesando os prós e os contras do jiu-jitsu como uma adição à programação olímpica.

Com o boxe, o taekwondo, o caratê, a luta livre e o judô agora nas Olimpíadas, e o Muay Thai, o Kickboxing e o Sambo agora reconhecidos e em consideração, o jiu-jitsu parece ser uma perspectiva futura.

Geralmente existem duas escolas de pensamento quando se trata do jiu-jitsu como esporte olímpico. O primeiro acredita que sim, o jiu-jitsu hoje é praticado mundialmente na maioria dos principais países do mundo e merece um lugar nos Jogos Olímpicos. 

O reconhecimento como desporto olímpico traria atenção, novos praticantes e um enorme fluxo de dinheiro novo para um desporto que já mudou tantas vidas para melhor. A inclusão do Jiu-Jitsu pode elevá-lo a novos patamares, patamares que a arte marcial vem merecendo há anos.

Com maior atenção surgem novos caminhos para o crescimento, incluindo eventos, patrocínios e o potencial de salários de nível profissional para os melhores do mundo.

Este último acredita que não, a adição do Jiu-Jitsu apenas sujeitaria o esporte a novas regulamentações, um novo corpo diretivo e um ambiente propício para política, lobby e, em última análise, corrupção. Muitos acreditam que a crescente indústria das academias de Jiu-Jitsu sofreria com a adição de uma autoridade unificada e, eventualmente, muitas fechariam com o tempo.

Outros observam o “enfraquecimento” do judô depois que ele se tornou um esporte olímpico, à medida que as técnicas foram abolidas para a “segurança do atleta”, e as consequências que acompanham o estabelecimento de uma federação mundial.

Outros fatores a serem considerados vão desde a situação difícil dos testes de drogas que atualmente assola o cenário “profissional” do jiu-jitsu, até a facilidade de uso do jiu-jitsu esportivo para o espectador. Sem os arremessos espetaculares do judô ou os nocautes devastadores do boxe ou do taekwondo, as nuances sutis da técnica excepcional do Jiu-Jitsu podem ser perdidas pelo grande público olímpico. 

Além disso, que forma de jiu-jitsu teria a melhor representação nos Jogos? - luta de submissão, jiu-jitsu com kimono ou alguma outra forma híbrida que se baseie em outras artes de luta, como luta livre, sambo e similares.

Nesse sentido, se o “Jiu-Jitsu Brasileiro” de quimono fosse o estilo escolhido para as Olimpíadas, como seria possível fazer um show competitivo, com a maioria dos atuais campeões mundiais, e participantes, aliás, vindo predominantemente do Brasil e dos EUA. Será que um número suficiente de países do mundo tem competidores de nível de campeonato que são dignos de competir no mais alto nível de todos os esportes?

Além disso, a comunidade do Jiu-Jitsu ainda não estabeleceu qual é o “melhor conjunto de regras”. Aquele que incentiva a ação, convence a submissão e é fácil de entender para o leigo, ao mesmo tempo que é divertido e emocionante. Não é uma tarefa fácil, mesmo para o COI de quase US$ 3 bilhões.

Mas, à medida que o jiu-jitsu continua a crescer globalmente, a questão do Jiu-Jitsu como esporte olímpico torna-se cada vez mais relevante. Entramos em contato com vários competidores respeitados, treinadores e membros da comunidade de Jiu-Jitsu para saber suas opiniões sobre a ideia. Aqui está o que eles tinham a dizer.

“Você acha que o jiu-jitsu deveria estar nas Olimpíadas?

Por que ou por que não?"

Nathan Mendelsohn

  • Faixa Preta de Jiu-Jitsu, competidor e treinador

Digo que sim porque, como atleta de Jiu-Jitsu, seria um sonho competir nas Olimpíadas. No entanto, estou realmente em dúvida sobre o assunto. Na realidade, eu só gostaria que o Jiu-Jitsu fosse adicionado às Olimpíadas se isso significasse que o esporte fora das Olimpíadas pudesse permanecer o mesmo.

Já ouvi histórias horríveis de muitos judocas que dizem que a inclusão do judô nas Olimpíadas foi a pior coisa que já aconteceu ao esporte e mudou irreversivelmente a competição do judô fora das Olimpíadas para sempre. Se fosse esse o caso, prefiro preservar o que temos com o Jiu-Jitsu.

Prefiro não estar nas Olimpíadas do que sacrificar o esporte que todos amamos para que ele se torne algo diferente .

No entanto, o boxe existe nas Olimpíadas e o boxe parece ser relativamente o mesmo de sempre, mesmo fora das Olimpíadas. O surf acabou de ser incluído e imagino que muita coisa não vai mudar aí também, então se conseguirmos continuar assim também com o Jiu-Jitsu, então estou dentro.

Karen Antunes

  • Faixa Preta de Jiu-Jitsu, Campeão Mundial e Treinador

Acho que o Jiu-Jitsu deveria ser um esporte olímpico. O Jiu-Jitsu já está instalado em todos os países que conheço, tem uma história profunda e rica e as regras já estão estabelecidas. Acrescente a isso todas as oportunidades para a próxima geração, como bolsas de estudo, faculdade gratuita para atletas e outros benefícios de um esporte olímpico reconhecido. Estou dentro.

Isaque Bahiense 

  • Faixa Preta de Jiu-Jitsu, Campeão Mundial e Treinador

Não, não acho que o Jiu-Jitsu deva ser um esporte olímpico. A política por si só que viria com um corpo governante arruinaria o que hoje conhecemos como a bela arte do jiu-jitsu.

Ana Carolina Vieira

  • Faixa Preta de Jiu-Jitsu, Campeão Mundial e Treinador

Sim! Um dos pontos mais importantes para um esporte estar nas Olimpíadas é o quão popular ele é em todo o mundo. 

O Jiu-jitsu é um esporte muito popular e todos podem praticá-lo! Definitivamente traria muita atenção e participação em todo o mundo! 

Safford

  • Faixa Marrom de Jiu-Jitsu, Guru de Marketing Hyperfly

Não acho que o jiu-jitsu deva se tornar um esporte olímpico. Acho que muitas das coisas que as pessoas amam no jiu-jitsu vêm de sua comunidade unida e das baixas barreiras de entrada em novos eventos, novas marcas e participação original e autêntica. A adição de um órgão dirigente, além de patrocinadores e corporações tradicionais, pode aumentar o alcance e o tamanho do mercado do esporte, mas às custas da comunidade e de sua autenticidade.

O esporte do jiu-jitsu cresceu tremendamente nos últimos cinco anos, principalmente por meio de marcas menores, empresas de mídia iniciantes e figuras individuais que conhecem e se preocupam com a arte marcial. As técnicas evoluíram, os eventos ficaram maiores e melhores e há muito espaço para mais inovação e crescimento. Eu odiaria ver isso parar com a adição do Jiu-Jitsu às Olimpíadas.

Terrance Souser

  • Faixa Roxa de Jiu-Jitsu, Embaixador Hyperfly

O Jiu jitsu está começando a ganhar exposição global com uma variedade de federações e organizações que estão tentando solidificar um conjunto de regras que atenderia à maior parte do mundo. UWW, SJJIF e IBJJF são alguns desses grupos que estão agitando ao sediar campeonatos em vários países. Existem escolas de jiu jitsu em quase todos os países onde alguém sentiu o desejo de começar a compartilhar seu conhecimento entre as comunidades onde reside. 

Com o ONE Championship e o UFC sendo transmitidos para as massas em todo o mundo, as pessoas estão ficando curiosas sobre o jiu jitsu. Com toda essa nova curiosidade, acredito que existe uma chance de um dia o jiu-jitsu estar nas Olimpíadas. Felizmente, até lá, temos o ADCC como nossa Olimpíada. Oportunidades semestrais para praticantes menos conhecidos que disputam vagas entre campeões e convites anteriores. 

O Jiu Jitsu é para todos e estou ansioso para ver o que o futuro reserva para o nosso esporte. 

O que você acha? Participe da conversa em nossa postagem no Instagram aqui .

Enquanto isso, encontre o kimono perfeito aqui em nosso Guia do comprador de kimono mais recente.