As 4 principais regras tácitas do Jiu-Jitsu Brasileiro

** Este artigo foi escrito como guest post pelo faixa-preta Nathan Mendelsohn. Este artigo pretende ser apenas um meio de informação. A Hyperfly não endossa nem incentiva a aplicação de nenhuma das regras e/ou tradições abaixo.**

- Escrito por Nathan Mendelsohn

Como qualquer outra arte marcial, o Jiu-Jitsu Brasileiro tem muitas tradições e regras tácitas que foram transmitidas de geração em geração. À medida que uma arte marcial viaja através do tempo, através de continentes e fronteiras, estas tradições e regras muitas vezes evoluem, são distorcidas ou por vezes até abandonadas completamente.

As academias no Brasil geralmente defendem as tradições e regras clássicas da arte, mas à medida que o Jiu-Jitsu se espalha pelo mundo, algumas delas se perdem no trânsito e na tradução. Algumas academias, mesmo sabendo dessas regras, optam por não observá-las e/ou criticá-las. E é seu direito fazê-lo.

No entanto, é importante estar ciente dessas regras para garantir que você não se isole involuntariamente ao ingressar ou visitar uma nova academia, e também para poder tomar uma decisão informada sobre adotá-las ou não, se e quando você dirige sua própria academia um dia.

Então, aqui estão as “4 principais regras tácitas do Jiu-Jitsu brasileiro”.

NÚMERO 1: NÃO SE GANHE DO TREINAMENTO

Esta é uma das regras mais sagradas e importantes do Jiu-Jitsu Brasileiro. Primeiro, o treinamento pretende ser apenas isso: o processo de melhoria. Quando todos estão juntos no tatame tentando melhorar, não deve haver nada do que se gabar.

Acertar um movimento no sparring não é o mesmo que acertá-lo em um torneio. O treinamento deve ser um lugar seguro para você experimentar coisas novas, cometer erros e se esforçar.

Seus parceiros de treino, a qualquer momento, podem estar tentando um novo movimento em vez do seu A-Game. Eles podem estar no sexto dia consecutivo de treinamento quando você estiver de volta após dois dias de folga. Ou eles estão em sua segunda sessão de treinamento do dia ou podem ter feito uma sessão intensa de levantamento de peso naquela manhã. Aí você finaliza eles, se gaba disso para todos na academia e coloca isso no seu status no Facebook quando chegar em casa?

Essa não é a maneira de agir.

Se você conseguir uma técnica no treinamento, ela essencialmente não conta. Se você quiser se gabar de acertar movimentos, coloque-os em um torneio. Vangloriar-se do que acontece durante o treinamento leva a um ambiente competitivo contraproducente em uma academia onde os alunos não se sentem mais livres para experimentar, se esforçar e cometer erros. Eles não sentem mais que seu objetivo é ajudar um ao outro a melhorar, mas sim tentar vencer um ao outro e depois se gabar disso.

Também mostra a falha de caráter de ter um ego inflado demais, se alguém sente a necessidade de se gabar de treinar em primeiro lugar, e esvaziar seu ego é considerado um dos primeiros passos para o autoaperfeiçoamento quando alguém começa a treinar Jiu-Jitsu Brasileiro. .

Vangloriar-se do treinamento é feio. Não seja esse cara/garota.

NÚMERO 2: NÃO CHAME UM CINTO MAIS ALTO

Esta é uma das regras mais polêmicas da lista e definitivamente não é observada por todas as academias do mundo, embora seja muito comumente observada no Brasil.

Algumas pessoas vêem isso como uma “viagem de poder”, indicando que os cinturões superiores acreditam que são “melhores” do que os cinturões inferiores e que os cinturões inferiores não merecem andar com eles. No entanto, na verdade significa apenas que o tempo no tatame lhe dá uma seleção preferencial de parceiros de treinamento.

Quanto mais você treina e quanto mais você sobe na hierarquia, mais você merece o direito de escolher com quem vai rolar. Isto é especialmente importante para os competidores que tentam se preparar para um evento.

Quando eu mesmo estou treinando para um evento eu escolho com quem quero rolar e quando quero rolar com eles. Um faixa inferior não pode se recusar a rolar comigo porque está cansado ou não tem vontade e um faixa inferior não pode escolher rolar comigo a menos que eu queira rolar com eles. Isso me deixa livre para configurar meu treinamento da maneira ideal.

Quando você alcança uma classificação elevada, você conquista o direito de vir treinar e treinar da maneira que quiser e com quem quiser. Isso também é importante para pessoas mais velhas que têm faixa alta e querem ter certeza de que podem treinar com as pessoas que desejam. Uma faixa mais alta pode ser como um alvo nas suas costas, então você tem o direito de dizer “Quero treinar com você ou não”. Um jovem e forte cinturão inferior não pode simplesmente chamar um cinturão superior mais velho e cansado e espancá-lo para se exibir. Quando você é uma faixa inferior, você tem que pagar suas dívidas para ganhar esse privilégio.

Quando as pessoas ouvem essa regra pensam que significa que faixas mais altas não treinam com faixas mais baixas e isso não é verdade. Na minha academia seguimos essa regra e todo mundo treina com todo mundo. Significa apenas que os escalões mais altos podem dizer não a uma rolagem de uma faixa inferior e um faixa inferior não pode dizer não a uma faixa superior.

Pedimos a um faixa inferior que queira rolar com uma faixa superior que solicite um rolamento dizendo “Estou disponível para rolar se você precisar de um parceiro”. Dessa forma, se o cinturão superior não quiser rolar, ele pode simplesmente dizer “Ok, obrigado” e seguir em frente sem ter que dizer “não” ou sentir a necessidade de dar uma razão para não.

Isso nunca causou um problema em nossa academia e acredito que só se tornaria um problema em uma academia onde os escalões mais altos tivessem um problema de ego ou de viagem de poder, e isso seria uma evidência de uma falha em seu caráter, não na regra em si. .

NÚMERO 3: NUNCA PEÇA SUA PROMOÇÃO

Pedir sua promoção em muitas academias é uma maneira infalível de não conseguir. Quando você pede sua promoção ao seu professor, você está basicamente dizendo a ele que você acha que sabe melhor do que ele se merece ou não. Você não tem voz na hora de adquirir seus cintos e, portanto, não deve se preocupar com isso em primeiro lugar. Deixe isso cem por cento para seus professores e confie que eles tomarão a melhor decisão para sua progressão.

Se você não confia no julgamento de seus professores, então você está na academia errada.

Depois de obter a faixa preta, você manterá essa classificação por muito mais tempo do que todas as outras faixas combinadas e nem se lembrará se passou ou não um ou dois anos a mais do que gostaria em qualquer faixa.

O que você e seu professor vão se lembrar é se você mostrar uma atitude ruim em relação às suas promoções e reclamar por não ter sido promovido com rapidez suficiente.

Quando usadas corretamente, as faixas são concedidas de uma maneira que ajudará a transformá-lo no melhor faixa preta possível no final das contas. Eles são mais uma ferramenta para ajudar no seu progresso do que uma “recompensa” ou um simples símbolo de status. Ao colocá-lo progressivamente em categorias cada vez mais altas de competição, os níveis de faixa permitem que você progrida em direção à faixa preta de forma incremental enquanto trabalha contra a quantidade correta de resistência para seu nível de habilidade atual.

Um bom treinador irá empurrá-lo estrategicamente através dessas classificações de uma forma que será mais benéfica para o seu progresso. Às vezes, isso pode até significar deixá-lo um pouco mais em uma classificação em que você está indo bem na competição, para que você possa ganhar mais experiência vencendo partidas.

Esta é uma situação em que um aluno que não confia no julgamento de seus professores pode ficar impaciente e começar a exigir a próxima classificação, principalmente se vir outros que venceu nas aulas ou se estiver treinando há mais tempo do que sendo promovido antes deles. Isso prova que eles estão olhando para os cintos de maneira errada: como um símbolo de status. Essa forma de olhar para os cintos está ligada ao seu ego e significa que seu coração está no lugar errado.

Nunca se compare a ninguém, em vez disso concentre-se em sua própria jornada e faça aquilo que o levará a se tornar o melhor faixa-preta possível no final. Os antolhos devem estar atentos a qualquer outra pessoa ao seu redor e ao que pode estar acontecendo com eles. É assim também que um bom professor abordará as promoções: avaliando cada aluno individualmente e tomando uma decisão com base no que será melhor para sua progressão, e não comparando os alunos entre si.

É função do aluno confiar na orientação do professor, parar de se comparar com outros alunos, parar de ter pressa para a faixa preta e apenas abaixar a cabeça e trabalhar na faixa em que estiver, deixando as faixas virem como eles podem.

E o mais importante, aproveite sempre a viagem!

NÚMERO 4: NUNCA PRATIQUE UM MOVIMENTO DIFERENTE DO QUE ESTÁ MOSTRADO

Uma das coisas mais desrespeitosas que você pode fazer é praticar algo diferente do que está sendo mostrado pelo instrutor. Isso é enviar uma mensagem ao instrutor de que você está entediado com o que ele está mostrando, já conhece bem o suficiente e/ou não vê valor em praticá-lo.

Mesmo que você já tenha visto isso antes e mesmo que o conheça bem, você ainda deve praticá-lo, tanto por respeito quanto pelo fato de que você nunca consegue dominar uma técnica perfeitamente e, portanto, novas repetições são sempre valiosas.

Se você tem os passos para descer, isso não significa que é hora de seguir em frente, significa que é hora de repetição. Se você e seu parceiro dominarem o movimento, faça rodadas de dez repetições do movimento cada e alterne para frente e para trás até que o instrutor dê a deixa para seguir em frente.

Quando o Rodolfo Vieira ficou um mês na minha casa e treinou na nossa academia ele começava todos os treinos com 50 repetições de chave de braço básica, kimura e triângulo. Esta é a prova de que não se trata de saber ou não os movimentos, mas sim de encaixar o máximo de repetições possível para alcançar a verdadeira nitidez da técnica.

Dizem que “a prática leva à perfeição”, mas a perfeição está sempre fora de alcance e chegar o mais perto possível requer manutenção constante através da repetição.

Portanto, não desrespeite seu instrutor, mas fale ou pratique um movimento diferente durante o tempo de técnica.

Perfure, perfure, perfure e repita!

Saiba mais sobre o professor Nathan Mendelsohn e sua paixão pelo hip hop aqui.