Foco no Atleta: A Nômade Margot Ciccarelli

Você tem uma abordagem única para aprender jiu-jitsu. Pode contar-nos sobre isso?

Minha abordagem está enraizada na compreensão da forma de arte a partir de uma perspectiva geral do movimento. Devemos primeiro aprender como avançar de forma colaborativa com o nosso parceiro antes de podermos alcançar um ponto de compreensão profunda para superar a resistência do nosso parceiro. Eu desconstruo a arte em uma estrutura que identifica que temos certos objetivos de movimento e objetivos de finalização. Torna o aprendizado mais orientado para as tarefas e dá muito mais clareza, especialmente para aqueles que são mais novatos na prática.


De onde você tira inspiração para seu jiu-jitsu e métodos de aprendizado?

Uma grande inspiração veio do mundo da dança. Tive a sorte de passar algum tempo em Berlim, entre outros lugares, nos últimos anos com meu bom amigo Tom Weksler. Ele realmente compartilha comigo uma visão semelhante na maneira como pensamos, mas principalmente no mundo da performance e da dança. A dança também tem muito mais história com métodos de ensino e pedagogia, o que falta no mundo do jiu-jitsu.


Como alguém pode melhorar no jiu-jitsu mais rápido?

Treine com intenção. Pense e avalie mais. Crie uma estrutura para entender melhor você e seu jogo. Você quer avaliar as coisas em que geralmente é bom, mas também é importante praticar movimentos pelos quais você se sinta genuinamente atraído, simplesmente porque você os praticará mais!

Você acredita firmemente no treinamento cruzado ou no treinamento com pessoas de fora da sua escola? Por que?

Tal como acontece com muitas coisas na vida, quanto mais exposição você obtém, mais pode ver e experimentar. Cada escola, cada pessoa, cada ginásio tem um conjunto diferente de problemas para resolver. A tarefa final no Jiu jitsu é resolver problemas em um ambiente ao vivo. Adoro me testar e ver como é o jiu-jitsu dos outros. Sou uma pessoa curiosa, o que posso dizer!


Você é um nômade autoproclamado, mas onde você se vê daqui a 5 anos?

Um pouco mais estável, eu acho, brinquei com meu parceiro que mudaria meu nome do Instagram para @thegroundedmars quando isso acontecesse. 😂 Existem tantas versões da realidade, mas acho que Nova York ainda é uma grande parte de onde estarei.

Qual é o seu melhor conselho para alguém que está começando sua jornada nas artes marciais?

Fique curioso. Priorize a diversão e o aprendizado. Tenha a mente aberta e nem sempre priorize a vitória. Seja bom com seus parceiros de treinamento. A academia é um reflexo das interações da sociedade; se formos legais uns com os outros, ela prosperará como um ecossistema inteiro. Não se trata apenas de você.

Siga Margot aqui no IG e confira seu coaching online aqui.